segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Método fônico avança na alfabetização

   Compartilho a reportagem publicada na Folha de S.Paulo de 26/10/2009 porém sugiro muita cautela na leitura e interpretação. Muitas vezes observo que o sistema educacional é descartável: agora não é mais assim!!!! E o pior, muitas vezes o professor começa a reproduzir o que lê ou ouve sem ao menos compreender “o quê não é mais assim”.     

   Gostaria de saber onde está registrado que o construtivismo não tem planejamento, conteúdo, sequência didática, avaliação…?  Muitas vezes a ideologia não permite que a educação se desenvolva.

Vale lembrar que para qualquer “método”, “ideologia”, “proposta”, “projeto”, “proposta atualizada”…

O papel do professor é essencial.

  

Método fônico avança na alfabetização

Sem alarde, sistema que associa letras a sons ganha espaço no Brasil; em países desenvolvidos, houve embate contra construtivistas
No país, polêmica sobre escolha do método durou só dois meses, quando o MEC disse em 2006 que poderia priorizar um dos sistemas
HÉLIO SCHWARTSMAN
DA EQUIPE DE ARTICULISTAS


Nos EUA, elas ficaram conhecidas como "Reading Wars" (guerras de alfabetização). Foi uma disputa encarniçada e com fortes tintas ideológicas, que chegou a ser comparada à polêmica em torno do aborto.
De um lado, estavam os defensores dos métodos fônicos, que enfatizam a necessidade de ensinar a criança a associar grafemas (letras) a fonemas (sons). Do outro, perfilavam-se os construtivistas, para quem o aprendizado da leitura deve ser um ato tão "natural" quanto possível, a ser exercido com textos originais e não com obras artificiais como cartilhas.
No Brasil, a coisa lembra mais a não havida Batalha de Itararé: o que prometia ser o mais sangrento conflito pedagógico do país acabou não acontecendo, e a controvérsia agora caminha para decidir-se sem traumas maiores, com os métodos fônicos ganhando espaço pelas bordas do sistema.
"Os construtivistas não gostam muito, mas a questão [dos métodos] vem se resolvendo de forma pouco explícita", declarou à Folha o ministro da Educação, Fernando Haddad.
Na mesma toada vai o professor de psicologia da USP Fernando Capovilla. "Sem muito alarde, as coisas estão mudando. E é bom que seja assim. A ciência demonstrou que o fônico é mais eficaz, especialmente para os mais pobres".
Nos países desenvolvidos, a polêmica remonta aos anos 50, atingiu seu ápice no final dos 90 e de algum modo se resolveu a partir dos 2000, depois que os governos dos EUA, da França e do Reino Unido, com base em vários estudos comparativos, recomendaram o ensino dos elementos fônicos no processo de alfabetização.
No Brasil, o "confronto final" foi evitado. Em fevereiro de 2006, Haddad propôs o debate, sugerindo a revisão dos PCNs (parâmetros curriculares nacionais) da educação básica.
Os fonetistas viram aí a oportunidade de lançar o que seria o golpe de misericórdia contra o método global. Os construtivistas, por seu turno, valendo-se da privilegiada posição de linha pedagógica predominante na maioria das escolas públicas e privadas do país, prometiam resistir por todos os meios.
Silvia Colello, professora de pedagogia da USP, é uma das que se opõem aos métodos fônicos. Para ela, quando o professor adota esses programas "cartilhescos" e enfatiza o domínio do código escrito, ele "tira da língua o que ela tem de mais precioso". O aluno, diz, não se reconhece nesse artificialismo e se desinteressa.
Percebendo que o debate estava a gerar mais calor do que luz, dois meses depois, em abril, Haddad anunciou que o ministério desistira de recomendar um método oficial.
"Levei tanta pancada, inclusive da Folha", disse o ministro. "Mas acho que serviu para preparar o terreno. Hoje há mais clima para discutir essas questões", acrescentou.
A relativa indefinição favoreceu posições mais conciliatórias, como a de Magda Soares, professora emérita da Faculdade de Educação da UFMG.
Para ela, o construtivismo teve o inegável mérito de colocar a criança como sujeito ativo no processo de aprendizagem, mas, no caso da alfabetização, acabou se tornando uma teoria sem método que substituiu o método sem teoria das cartilhas do século passado.
Soares, que prepara um livro sobre o assunto, diz que existe "produção riquíssima" lá fora demonstrando a necessidade de trabalhar com elementos fônicos. Para ela, o ponto-chave para o sucesso na alfabetização é a "formação dos formadores".
Experiência no molde defendido por Soares está em curso em Lagoa Santa (região metropolitana de Belo Horizonte).
Ali a pedagoga Juliana Storino coordena um programa que, sem esquecer pressupostos construtivistas, como a adequação do currículo à realidade do aluno, busca desde cedo despertar a consciência fonológica dos alunos. "Apesar de já operarmos há três anos, ainda encontramos resistências por parte de professores."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por contribuir com esse espaço de informação.

Atalho do Facebook

Sobre...

2013 5ª ENEX 5º ENEX 5º Fnex Acervo Revista Ciência Hoje Acessos Administração Municipal Adriana Falcão Amigo Animação Aprender a Aprender aprendizagem Araquém Alcântara Artes Assédio Moral Atividades Educativas Áudio autismo Avaliação Biblioteca Bicudas Bienal blog Blog do Sítio Boas Festas Brasília calvin Campus Party Cecília Meireles Celular Cenp Centro Educacional Pioneiro Charge Cidade dos Meninos Cidade Interativa Ciência e Tecnologia Colégio Caminhar Computador em sala de aula CONAE Concursos Conhecimento Conhecimentos Prévios Contação de Histórias Coordenador Pedagógico Cortinas Creative Commons Cultura Digital Currículo currículo nacional Cursos online Débora Martins Desenho Infantil Desenrolando a fita Deu Paula na TV Dica de Leitura Dicas Dicionário CC Direito Autoral Diversidade Documentário download Drive Thru de Oração e-book EAD eBooks ECA Editor de Imagem educação Educação e Formação Educação e Gripe Educação e Mudança Educação e Trabalho Educação e trabalho em equipe Educação Familiar Educação Inclusiva Educação Infantil Educação Inovadora Educação Pública EducaParty Elie Bajard Ensino de Tempo Integral Escola Escola da Ponte Escola de Governo Escola do Futuro Escola Pública Escola Reflexiva Estágio Facebook Família Feira Literária FENTEC Férias Férias;Material Escolar Fernando Pessoa Filmes Filosofia Folclore Formação Foto Flex Fotografia Fundação Lemann Gadotti Gestão Escolar google Guia da Reforma Ortográfica Helena Negreiros História da Escrita Honoris Causa Imagem Imagens Free Inclusão Inclusão Digital Índio Índio Educa Inquietações Intervenção Isabel Alarcão João Acaiabe jogo da memória Jogos Jogos do Brasil José Manuel Moran José Pacheco Leis Leitura Leitura Digital Leitura e Tecnologia Líder Liderança Líderes em Gestão Escolar Links listas de palavras Literatura livro digital livro virtual Livros livros acadêmicos lixo eletrônico Luciana Trocolli Lula Maria Helena Negreiros Marina Colasanti Matemática MEC Meio Ambiente migração do blog Minhas Anotações Monteiro Lobato Mundo do Sítio Museu Virtual Música O que é um wiki? Online Convert Open Education Week 2012 parceria Paulo Freire Paulo Freiris Pesquisa Pilar Lacerda Pinterest Pipal de Papel Planejamento PNE Poemas e Poesias Política Pública portfolio Prática Pedagógica Prezi Processo Criativo Professores Profissão Educador Progressão Continuada Project Gutenberg Projeto EntreMeios Projeto Político Pedagógico Projetos Prova Brasil REA REA Brasil Reajuste Salarial Rede In_Formação Redes Sociais Reflexão registro respeito Reunião com pais Revista Educação Pública Revista Época Revista Espírito Livre Rio+20 Roteiro de Vídeo Ruth de Aquino Saberes dos Alunos Sala de Aula Santo André Saresp Seminário Sérgio Amadeu SESC Simpósio Caminhar Site Situação de Aprendizagem Software Livre Tablets Tarsila do Amaral Tatiana Belinky Teatro Tecnologia Tecnologia;Lea Fagundes TEDxRio Tempo Tendências Pedagógicas Território do Brincar Trabalho Coletivo TV Escola Twitter Twitter Mix UNB Undime Unesp Uso da internet USP Vídeo Vìdeo Vídeo Educacional Vídeo Educacional; Voxli Webinar Wiki ZooBurst

Livres para pensar...

Pesquisar este blog

Siga o blog por e-mail

Quem sou eu

Minha foto
São Bernardo do Campo, São Paulo, Brazil
Professora, Pedagoga,Psicopedagoga, Mestranda em Educação, esposa, mãe,formadora de professores.

Eu participo....

Postagem Recente...